XV Encontro de Enfrentamento à Violência Doméstica Contra Crianças e Adolescentes da Região Cidade Ademar e Pedreira.

Nós do Geral na Saúde acompanhamos o XV Encontro de Enfrentamento à Violência Doméstica Contra Crianças e Adolescentes da Região Cidade Ademar e Pedreira. O evento aconteceu no dia 26 de outubro e contou com a presença de profissionais dos CCAs, CRAS, CREAS, SPVV, representantes de Organizações Sociais da região, além de Regina Leia, Viviane Rossetti, Silvia Salles, Cenise Monte Vicente e da Drª Verônica Gomes de Alencar Lima e Moura. Confira a baixo as informações referentes ao evento:

O XV Encontro de Enfrentamento à Violência Doméstica Contra Crianças e Adolescentes da Região Cidade Ademar e Pedreira foi organizado pelo grupo “Pedido de Atenção”, composto por gerentes de CCAs de Cidade Ademar e Pedreira que conta com o apoio da supervisão Viviane Rossetti e Silvia Salles e com a parceria de Cenise Vicente que contribui realizando encontros com o grupo afim de fortalecer o círculo de proteção das crianças dos CCAs de Cidade Ademar e Pedreira, que têm contribuído nas discussões e ações no que se refere à sub notificação e ao combate à violência doméstica contra crianças e adolescentes.

O evento foi dividido em dois momentos onde inicialmente foi realizada uma roda de conversa sobre a Política de Assistência Social e a Rede de Proteção à Infância. Participaram da mesa: Lara Rodrigues – Mestre em Serviço Social do CRAS Cidade Ademar II, Maria Cecilia Apostolopoulos – Coordenadora Geral da Ong Espaço Aberto, Sandra Regina Dell Sol Passos – Supervisora do CREAS Cidade Ademar, Mariana Ramos – Assistente Social do CRAS Cidade Ademar II, Ana Paula Amaral – Gerente de Serviço CCA Mar Paulista. Foram discutidas questões relacionadas à rede de proteção, territorialidade, vínculo comunitário, mapa da desigualdade e atuação do profissional da assistência social, além disso, foram recitadas duas poesias, uma delas do  gerente do CCA Santa Amélia, Thiago Ariel em que fala sobre o “medo”, a partir de uma experiência vivenciada no serviço. A outra poesia foi criada e recitada pelo educador do CCA Mamãe, José Danilo Guerra, o educador criou a poesia, após uma vivência de atividade construída nos encontros de Cenise  Vicente e o Grupo Pedido de Atenção, sobre a temática da violência, nesta atividade o educador foi sensibilizado por uma criança, esta experiência resultou na poesia. Confira a baixo as poesias de Thiago Ariel Corrêa  e José Danilo Guerra:

 

Poesia 1:

Estou com medo 

(Thiago Ariel)

Estou com uma criança machucada aqui! Ela está com medo!

Eu também estou com medo…

Medo de levar paulada, mordida, pedrada…

Medo de chamar o algoz que bate, medo que o próximo à apanhar seja eu…

Tô com medo de chamar a polícia e me tornar réu, cúmplice, abutre…

Paralisado…

Nú de alma…

Perdido no meio da sala com uma outra pequena alma indefesa, perdida, olhando para mim pedindo “faça alguma coisa para aliviar a minha dor…

Dor de corpo e da alma…”

Agora estou com medo de ser educador que deve proteger, que deve servir, cuidar, preparar, dançar, trocar lâmpada e sorrir…

Tenho medo das Siglas que tenho que decorar para usar fora desta sala, desta vida…

Respirei… … Respirei…  … Respirei…

O medo irá continuar aqui, mas eu vou seguir. Mesmo com medo eu vou segui com tudo…

Eu também já fui criança e  protegido, por uma pessoa que talvez tivesse medo!

Hoje eu vou enfrentar…

Enfrentar o medo, a dor, a desesperança…

Fazer a diferença para aquela pequena alma…

Resgatei em mim outros sentimentos além do medo: Ternura, compaixão, força, coragem, certeza…

O medo e a Violência se combatem com Ação e Amor…

 

Poesia 2:
(José Danilo Guerra)
 
Não me Diga o que fazer
 
 
Não! Não! Não irei fazer!
 
E não é você que Irá me forçar,
 
Não é você que Me fará tentar!
 
– Calma
 
Não! Não quero nem saber
 
Já cansei de tentar entender…
 
 
(Silêncio)
 
 
– Eu estarei aqui se precisar.
 
 
Ta na minha frente essa folha em branco,
 
Inerte, não me traz lembranças boas, não
 
Me chega ideias ao te dizer
 
Por mim fica ai, seca, sozinha
 
 
Mas tem um aperto que não 
 
Me deixa descansar, não
 
Consigo parar de te olhar
 
 
Aí, vem você e me diz pra pensar
 
Colocar esse aperto pra fora,
 
Mas não ta vendo que eu vou chorar
 
Que a saudade que ela
 
Me faz, vai me apertar, vai me
 
Dar vontade de gritar, e nem
 
Se eu tentar irei conseguir me soltar
 
 
Ta doendo um bocado aqui por dentro 
 
Eu tô cedendo
 
A minha garganta me esmaga
 
Me maltrata, o meu olhar
 
Ta turvo, ta enchendo d’água
 
– Deságua que eu te seguro
 
Desmonta que eu te remonto
 
Grita que eu grito junto
 
 
Eu queria que ela estivesse aqui…
Todos os presentes participaram de uma
grande ciranda como forma de se integrarem para o segundo momento do evento que contou com a presença da Drª Verônica Gomes de Alencar Lima e Moura falando sobre o Projeto Iluminar de Campinas de forma que os profissionais  de Cidade Ademar e Pedreira pudessem conhecer um serviço onde a Rede de Proteção em casos de Violência têm um grande êxito.

Gostaríamos de parabenizar o Grupo Pedido de Atenção pela organização do evento e pelo emprenho e engajamento pela luta dos direitos das crianças e adolescentes!

 

Clique aqui para saber mais sobre o assunto