Novo coração, nova vida.

“Eu sou o France Caetano. Sou do Espirito Santo. Eu tive passar por uma fase da vida que graças a Deus superei. Com três dias de vida eu fui diagnosticado com um problema no coração e tive que passar por uma cirurgia no mesmo dia que descobriram.

Eu nasci com uma falha em uma das válvulas do coração, o que me fez passar meu primeiro um ano e meio no Hospital, internado. Graças a Deus o processo correu bem durante esse tempo que fiquei internado, e o cuidado comigo era muito grande por eu ser então uma criança recém nascida.

Aos cinco anos de idade, tive que passar por outra cirurgia, que foi uma troca de válvula, porque, como fui crescendo, a válvula que tinham colocado em mim quando tinha três dias de vida ficou pequena para o meu tamanho.

Fui bem até os quatorze anos com essa outra válvula metálica, até que, aos quatorze anos, peguei uma infecção por causa dela, mas não sei muito bem como que infeccionou, e não me explicaram o porquê também, só me disseram que acontece.

Depois dessa situação toda o meu coração ficou muito fraco, muito, muito mesmo.

Tudo me cansava; jogar bola, subir um morro correndo, eu me cansava muito rápido. Minha vida foi ficando um pouco debilitada.

Não podia fazer nada direito, tinha que dormir com oxigênio no nariz pra respirar melhor, tinha que fazer um exame sanguíneo, chamado sangria, de mês em mês…

Eu tratei essa situação internado durante uns seis meses, mas acho que eu já tinha essa infecção já fazia três anos.

Fiquei tomando antibiótico na veia direto durante a internação, até que o médico disse que a única solução seria mesmo um transplante, mas continuamos o tratamento.

Quando estava com 17 para 18 anos, ficou resolvido que eu realmente precisava  de um transplante de coração. Entrei na fila de espera, fiz alguns procedimentos de exame e era aquilo, o coração tava muito fraco e eu, crescendo.

Enquanto isso eu ia cansando mais, cada vez cansando mais. Depois de um certo tempo eu fui entrei para  a lista de espera, a qual durou um ano e seis meses.

Desde os três dias de vida eu tive que me tratar. Fazia viagens do Espírito Santo pra São Paulo direto pra conseguir fazer isso, e assim, pra minha família foi um grande aprendizado e uma benção para a saúde, porque o mesmo incentivo que eles tiveram pra estar lado a lado comigo foi também para eles acreditarem que nada está perdido, porque no final deu tudo certo.

A situação toda fez minha família sofrer muito, ter muita angústia, muita incerteza, então pra minha família foi uma benção, eles aprenderam muito e até se uniram mais.

Esperando o transplante eu tive que mudar pra São Paulo, fiquei dois anos aqui, até que certo dia meu coração apareceu, veio de um jovem de 19 anos do Embu das Artes. O procedimento da cirurgia deu tudo certo, graças a Deus. E essa foi minha superação de vida.

Agora em 2018 eu completei três anos com o coração novo, e eu sempre tenho que ficar vindo pra cá pra fazer os exames e o que for necessário, então, de três em três, quatro em quatro meses tenho que vir pra cá.

A mensagem que queria passar é que, por mais que as coisas estejam difíceis com sua saúde, sempre há uma solução. No meu caso foi o transplante que mudou minha vida, e hoje estou aqui há três anos com um coração transplantado.

Faço todos os tipos de atividade, me amarro em surf, já sou pai também e é isso, eu sou o France, capixaba e nesse movimento de cuidar do coração novo, hoje com 24 anos.
Três cirurgias, muitas experiências, várias amizades, inclusive de pessoas aqui de São Paulo que já me visitaram lá no Espírito Santo, essa é a minha história. Hoje eu estou bem, e sempre que conto minha história o pessoal fica chocado, falam “Caraca, que experiência, saquei, sua vida é massa “.

 

Válvulas:

O coração funciona com a ajuda de quatro válvulas: mitral, tricúspide, aórtica e pulmonar. Cada uma desenvolve uma função diferente para que o coração possa bombear o sangue na direção correta. Uma dessas válvulas pode se fechar demais, como no caso do France, e impedir o sangue de entrar, ou abrir demais, permitindo um fluxo que o muito alto, que o coração não aguenta.

Na imagem ao lado as válvulas seriam as dobras em branco. Seu bom funcionamento é fundamental para que a pressão do batimento cardíaco seja eficiente, além de tudo dito pelo doutor.

Se quiser saber um pouco mais sobre a importância de um bom fluxo sanguíneo pelo corpo, de uma lida neste post!
https://geralnasaude.com.br/noticias/complicacoes-respiratorias/

 

Sangria:

A sangria terapêutica é um procedimento médico utilizado pela humanidade já faz um bom tempo. São feitos cortes ou aplicação de sanguessugas para tirar sangue da pessoa, como uma espécie de limpeza interna. Atualmente, o volume de sangue perdido é reposto pelo mesmo volume de soro fisiológico.

Na imagem ao lado, de 1675, que consta no livro “Intervenções Cruciais”, narrado pelo historiador e médico Richard Barnett, podemos ter uma ideia da natureza da operação, no passado.

Atualmente, o procedimento é realizado assim como a doação de sangue, apesar do sangue não ser reaproveitado após a operação.

 

Segundo diversas fontes, a sangria foi uma operação amplamente realizada como tratamento a diversas doenças e problemas de saúde durante um longo período. Contudo, atualmente é recomendada apenas para o tratamento de certas doenças, como listado no link do Hospital Albert Einstein, presente nas fontes deste post.

 

Fila de transplante:
    France nos contou também sobre sua experiência com a fila de espera e um pouco das consequências do transplante

“Sobre a fila de transplante, é incerto. Você fica por conta de um telefonema. Tem que estar sempre atento e preparado, então, eu acho que a fila de transplante é a parte mais difícil, porque você fica a mercê do tempo.

No meu caso foi isso, fiquei um ano e meio até que veio um telefonema que mudou minha vida.
Esse tempo do pré-transplante acho que é o mais difícil, por essa situação da espera e também porque tem que se cuidar muito, para estar preparado para receber o coração novo. E muda tudo.

Com meu antigo coração eu não conseguia jogar uma bola, não conseguia surfar. Agora, com esse coração, mudou tanto a área da alimentação, minha respiração, além a área financeira, de estudos. Minha vida inteira.

O coração me deu essa melhora em todos os sentidos, material, física , espiritual e outra vida… já o contra é pensar que pela minha condição eu não vou conseguir, mas graças a Deus tá dando tudo certo e as coisas estão acontecendo.”

 

Fontes:

https://www.einstein.br/especialidades/hematologia/exames-tratamentos/sangria-terapeutica

https://segredosdomundo.r7.com/veja-como-eram-feitas-as-cirurgias-sem-anestesia-no-passado/