Minha história se chama Andreia

Meu nome é Fernanda Rodrigues, tenho 32 anos e moro no Parque Florestal em Parelheiros, em São Paulo. Minha história começa assim: tenho um filha especial, ela tem 5 anos e 7 meses. Ela nasceu prematura e teve sequelas. Ela não tem um pedaço do cérebro, e teve falta de oxigênio durante o nascimento; foi muito ruim, mas tinha tratamento para ela.

Corri atrás e, com a ajuda dos médicos do Hospital Geral do Grajaú, as coisas ficaram melhores. Conheci uma doutora chamada Teresa. Fomos fazer o tratamento dela, como eu já falei, foi sofrido.

Depois de um tempo descobrimos que ela tinha epilepsia e hoje ela usa medicamentos pesados para controlar. Eu tenho muito medo de perder minha filha, mas faço de tudo pra não perder ela. Hoje ela tem uma vida normal, estuda, faz tudo sozinha não depende praticamente de ninguém.

Essa é a minha história. Hoje sou muito feliz com ela e meus outros dois filhos. Gosto das meninas da Brinquedoteca, Sandra, Andreia, Cristiane, elas me ajudaram muito psicologicamente.

Veja este material sobre epilepsia do Ministério da Saúde