Ih, e agora?

Na nossa onda de conversar sobre a gravidez na adolescência e os desafios que ela apresenta para os pais adolescentes e para suas famílias, uma correspondente jovem do Geral na Saúde que tem 16 anos de idade compartilhou anonimamente este post sobre a angústia de talvez estar grávida, e da resposta que recebeu da mãe e do namorado.

***

O momento estava bom, a hora mais ainda, mas… um mês depois!

file0001913270767Na hora a gente nem se preocupa tanto, só quer que aconteça e pronto, depois de uns dias vem aquela lembraça de: “Putz, não me preveni”. E o medo de vir uma gravidez ainda na adolescência? Contar para o namorado, pais, família e amigos? Dá aquele frio na barriga só de pensar.

E o futuro? Escola? Faculdade? Emprego? Condição financeira? Essas são as perguntas mais freqüentes pra si, pois pra cuidar de uma criança tem que mudar de vida, abrir mão de algo que se quer muito. Eu no momento passo por essas coisas, namoro e às vezes me descuido, e fico com aquela frase na mente: “Tô lascada”.

Exemplo: Fiz, e na hora não me preocupei e deixei rolar, só depois que caiu a ficha que não tomei o anticoncepcional no mês, e fui contar pra minha mãe. Ela até que ficou calma, me disse pra esperar o mês seguinte e ver no que vai dar. Depois contei ao namorado e ele agiu normalmente, porém ficou mega preocupado, aliás quem não fica? Ele é um cara que pensa em tudo, se no caso acontecer o inesperado do baby, mas sabemos que a vida a partir disso será diferente, chega de molezas, que a vida também não é as mil maravilhas que achamos ser.

 

Saiba mais:

Pauta do Geral na Saúde: Engravidei, engravidamos – e agora?

Desafio Geral na Saúde: Escola X Bebê

Ministério da Saúde: Métodos contraceptivos distribuídos gratuitamente à população