Murilo, meu pequeno guerreiro!

A Jaqueline é uma mãe de 21 anos de idade, que está com seu filho, Murilo, internado no HGG. Ela nos contou sobre os desafios e dificuldades que enfrenta, por ter um filho com necessidades especiais:

Jaqueline Venâncio e Murilo da Silva.

“O Murilo nasceu prematuro, na 38ª semana de gestação e com peso baixo. Assim que ele completou vinte dias de nascido sofreu uma parada cardíaca, convulsão e perdeu os movimentos, por esta razão ele teve paralisia cerebral e epilepsia. Ele ficou na UTI neonatal durante quatro meses.

Agora o Murilo já tem dois anos e quatro meses de idade, ele só consegue se alimentar por GTT (sonda) e é dependente do oxigênio para respirar. Ele vive no hospital! Estamos esperando receber o aparelho de oxigênio para ele poder ir para casa.

A gente passa o maior sufoco, pois só eu cuido dele. O pai não conseguia ficar aqui direito, pois trabalhava muito, mas agora sofreu um acidente e também está no hospital. Além disso, temos muitos gastos, mas eu estou sempre aqui com meu filho.

Ter um filho com necessidades especiais é uma luta! Mas o Murilo é um guerreiro, ele sempre fica internado na UTI. Desde que ele nasceu foram quinze internações e nove entubações. Já chegaram a me dizer que ele não ia sobreviver.

O Murilo tem apneia, ele esquece de respirar, já aconteceu de chegar aqui no hospital quase morto. A situação dele é muito delicada, exige muitos cuidados e tudo é muito caro, ele não recebe nenhum benefício e fica difícil de correr atrás disso, pois eu estou sempre com ele, não tenho a ajuda de ninguém.”

(Jaqueline Venâncio de Lima Bispo)

 

Em situações como esta vivida pela mãe, Jaqueline, e o filho, Murilo, é possível acionar a justiça para conseguir auxílio no que se refere aos gastos com medicamentos e tratamentos. Veja aqui o vídeo em que a juíza Maria Gabriella Spaolonzi explica como proceder.

A apneia, citada pela Jaqueline, é uma parada da respiração durante o sono, a via aérea, no nível da garganta, é obstruída durante o sono, causando uma parada da respiração, que dura cerca de 20 segundos. Após esta parada na respiração, a pessoa acorda emitindo um ronco alto. A apneia pode ocorrer várias vezes durante uma noite de sono. A longo prazo, as pessoas que sofrem de apneia podem desenvolver doenças nas artérias, decorrentes do acúmulo de colesterol nas suas paredes, além de provocar a ocorrência de infarto do miocárdio e acidente vascular cerebral (derrame). Elas também podem desenvolver a síndrome metabólica, que é a ocorrência de distúrbios da gordura e do açúcar do sangue, hipertensão arterial e aumento da circunferência abdominal. Quem apresenta esta síndrome tem maior tendência a ter infarto do miocárdio e derrame cerebral.

Saiba mais sobre apneia nesta publicação da Biblioteca Virtual em Saúde sobre Distúrbios do Sono.

Saiba sobre a importância e como ter uma boa noite de sono neste texto da Fiocruz – Dormir bem é fundamental para a saúde, alertam especialistas.