Corte na mão e um segurança para me segurar

Um dia, quando eu tinha 7 anos, estava brincando com meu primo e minha mãe me chamou para almoçar. Como eu estava com fome sai correndo segurando um copo na mão. No chão havia uma mangueira, como não prestei atenção, tropecei na mangueira, e cai com o copo. O vidro entrou e cortou a minha mão, sangrando muito, muito mesmo!

Quando eu percebi que tinha cortado entrei em desespero, não por estar com a mão cortada, mas por medo da reação da minha mãe, achei que ela iria me bater. Assim que minha mãe me viu, ela também entrou em desespero, pegou um pano de prato e enrolou na minha mão para estancar o sangramento. Ela me pegou no colo e fomos para rua pegar um taxi, era a primeira vez que eu andava de taxi.

Chegando no hospital, o médico me colocou em uma maca e me levou para sala de cirurgia. Quando eu vi o médico chegando com uma injeção de anestesia fiquei me debatendo na cama. Ele precisou chamar outros dois médicos e um segurança para me segurarem. Como medo da anestesia eu até mordi o médico na hora que eu senti a agulha entrando, fiquei com mais raiva ainda. Nessa luta com os médicos, um outro já tinha dado os pontos na minha mão e eu não senti nada. Eu levei mais de 7 pontos. Uma semana depois eles caíram e já fiquei melhor.  Nesse história ganhei uma cicatriz, que tenho até hoje e muita risada sempre que conto esse episódio.

Acidentes domésticos, como este do Natan, são bastante comuns. No entanto, é preciso tomar muito cuidado, pois eles são também a principal causa pelas mortes de crianças com até 10 anos de idade.

Como já falamos no texto “Como evitar acidentes domésticos com crianças“, cerca de 40% dos acidentes com morte são com crianças. De acordo com um estudo feito pela ONG Criança Segura, com base nos dados do IBGE e Ministério da Saúde, cerca de 6 mil crianças morrem vítimas de acidentes e 140 mil são hospitalizadas no Brasil por ano.

Os acidentes mais frequentes são: quedas, queimaduras, intoxicações, afogamentos, estrangulamentos e sufocações. A boa notícia é que 95% dos casos de acidentes domésticos podem ser evitados.

O site da Sociedade Brasileira de Pediatria dá dicas sobre como evitar acidentes domésticos para cada faixa etária, veja este  guia da Sociedade Brasileira de Pediatria.

Veja também este Manual de prevenção de acidentes e primeiros socorros nas escolas,  da Prefeitura de São Paulo.