Quero reeducar minha alimentação!

Olá, preciso de uma ajuda que possa mudar toda minha programação alimentar.

Geralmente eu como bastante besteira, todos os dias, praticamente – como almoço no trabalho fica mais difícil controlar a alimentação.

Desde pequeno eu sempre fui gordinho, comia bastante levava uma vida mais saudável, mas certo dia minha mãe achou que eu e meus irmão estávamos magros, e comprou um estimulante de apetite.

Uma tarde eu estava só em casa, e não tinha tomado uma colher como de costume todos os dias, resolvi tomar na goela como se fosse um guaraná, porém a partir daí tive mais atração a besteiras e abri mais o apetite.

Conforme fui crescendo, fui engordando, e cheguei ao ponto de tomar óleo puro para saciar minha fome, não sabia que fazia tanto mal assim.  Aos 14 anos cheguei aos 80kg, e com isso resolvi emagrecer: só comia salada e me sentia melhor, emagreci, mais aos 16 anos engordei novamente, peguei um pouco de tristeza, pois muitas pessoas me rejeitavam, passando o tempo emagreci novamente, logo depois engordei de novo.

Hoje aos 18 anos enfrento gastrite nervosa e só como lanches, batata frita, hambúrguer, guaraná e sorvetes. Hoje em dia eu amenizo bastante não como mais comida rápida, e como um lanche mais saudável com tomate, alface, repolho etc., mas não deixo de todo dia tomar um milk-shake e acabo não jantando e nem almoçando. É raro eu comer arroz e feijão no dia-a-dia, somente aos finais de semana, com a família reunida na mesa.

Gostaria de uma ajuda em relação a isso, gostaria de pelo menos como planejar e reeducar minha alimentação aos poucos, para que conforme ao tempo eu me acostumar, cuidar de minha saúde.

Esse nosso correspondente já sabe que os hábitos alimentares dele não são muito saudáveis! Para reeducar a sua alimentação ele vai precisar fazer um acompanhamento com um nutricionista, e organizar melhor onde e quando faz suas refeições. Recomendamos que consulte na Unidade Básica de Saúde do bairro onde ele pode encontrar um nutricionista.

Ele também nos conta duas coisas importantes:

(1) A mãe dele ficou preocupada com o peso dos filhos e começou a dar a eles um estimulante alimentar. Muitas mães se preocupam em ver seus filhos fortes e saudáveis mas é muito importante consultar um médico antes de dar qualquer tipo de medicamento e também tomar cuidado para não fazer as crianças se acostumarem a comer demais. Na dúvida, é sempre melhor conversar com um profissional para ver se a criança está com baixa nutrição ou se ela só é magrinha.

(2) Por causa do trabalho, ele come comida processada e industrializada – porque esses lanches rápidos na verdade são produtos industrializados que na lanchonete são montados e esquentados. Essa comida faz mal por diversas razões, mas na vida cada vez mais corrida que temos conforme vamos nos tornando adultos, parece ser a solução mais fácil. Para se reeducar é muito importante criar o tempo para fazer a refeição com mais calma e também inventar um modo de comer comida feita no dia, por exemplo, preparando uma marmita em casa, trazendo frutas ou encontrando um lugar onde sirvam refeições mais variadas e completas.

Como orientação geral, o mais novo Guia Alimentar para a População Brasileira feito pelo Ministério da Saúde dá “Quatro recomendações e uma regra de ouro” para você começar:

“Faça de alimentos in natura ou minimamente processados a base de sua alimentação

Alimentos in natura ou minimamente processados, em grande variedade e predominantemente de origem vegetal, são a base de uma alimentação nutricionalmente balanceada, saborosa, culturalmente apropriada e promotora de um sistema alimentar socialmente e ambientalmente sustentável.

Utilize óleos, gorduras, sal e açúcar em pequenas quantidades ao temperar e cozinhar alimentos e criar preparações culinárias

Desde que utilizados com moderação em preparações culinárias com base em alimentos in natura ou minimamente processados, óleos, gorduras, sal e açúcar contribuem para diversificar e tornar mais saborosa a alimentação sem torná-la nutricionalmente desbalanceada.

Limite o uso de alimentos processados, consumindo-os, em pequenas quantidades, como ingredientes de preparações culinárias ou como parte de refeições baseadas em alimentos in natura ou minimamente processados

Os ingredientes e métodos usados na fabricação de alimentos processados – como conservas de legumes, compotas de frutas, queijos e pães – alteram de modo desfavorável a composição nutricional dos alimentos dos quais derivam.

Evite alimentos ultraprocessados

Devido a seus ingredientes, alimentos ultraprocessados – como biscoitos recheados, “salgadinhos de pacote”, refrigerantes e “macarrão instantâneo” – são nutricionalmente desbalanceados. Por conta de sua formulação e apresentação, tendem a ser consumidos em excesso e a substituir alimentos in natura ou minimamente processados. Suas formas de produção, distribuição, comercialização e consumo afetam de modo desfavorável a cultura, a vida social e o meio ambiente.

A regra de ouro. Prefira sempre alimentos in natura ou minimamente processados e preparações culinárias a alimentos ultraprocessados

Opte por água, leite e frutas no lugar de refrigerantes, bebidas lácteas e biscoitos recheados; não troque a “comida feita na hora” (caldos, sopas, saladas, molhos, arroz e feijão, macarronada, refogados de legumes e verduras, farofas, tortas) por produtos que dispensam preparação culinária (“sopas de pacote”, “macarrão instantâneo”, pratos congelados prontos para aquecer, sanduíches, frios e embutidos, maioneses e molhos industrializados, misturas prontas para tortas) e fique com sobremesas caseiras, dispensando as industrializadas.”

Conheça o Guia Alimentar para a População Brasileira!