Apendicite!

Eu sou Stefany, tenho 10 anos, e estou no Hospital Geral do Grajaú.

Tudo começou quando eu estava dormindo e falei para minha mãe que eu estava com uma enorme dor na barriga. Minha mãe pensou que eu fosse ficar menstruada pela primeira vez, então me deu uma dipirona, falou que ia passar e me mandou ir para a escola.

Ao chegar na escola fiz minha prova, mas minha barriga continuava doendo. A professora me levou para falar com a diretora e pediu para ligar para o meu pai, que foi me buscar. Quando já estava em casa, fui tentar dormir e meu pai foi fazer uma caminhada, mas quando ele saiu a minha dor atacou, ainda mais forte.  Eu liguei para minha mãe, porque eu estava passando muito mal. Ela falou que ia ligar para a vizinha para ela poder me ajudar. Quando a vizinha chegou ela me fez um chá e eu vomitei.

Naquele dia eu não tive vontade de comer nada, depois eu fui dormir, e no outro dia minha mãe me levou no AMA Castro Alves e a médica disse que eu poderia estar com apendicite e que eu teria que operar.

Quando eu cheguei no Hospital Geral do Grajaú eu fiz uns exames e os resultados confirmaram que eu estava mesmo com apendicite e que eu iria operar pela manhã no outro dia.

Eu operei e graças a Deus correu tudo bem. Agora vai fazer 5 dias que eu estou aqui no Hospital Geral do Grajaú, porque é preciso ficar ter certeza que está tudo bem antes de receber alta.

 

Clique aqui e leia este texto do Ministério da Saúde, que diz que os adolescentes e adultos têm mais chances de desenvolver apendicite.