Direto da fonte – com todo cuidado

Uma das principais tarefas do jornalista, repórter e toda a galera da notícia, é checar a informação, e buscá-la direto da fonte, ou seja, pesquisar a notícia diretamente no local onde aconteceu ou tentar adquirir informações com pessoas envolvidas no acontecido ou que viram acontecer.

Mas nem sempre isso é uma tarefa fácil, pois em alguns casos, as pessoas têm medo de se expor, para preservar sua própria segurança e de seus familiares, pelo fato de a informação comprometer a reputação algum conhecido, ou elas simplesmente não gostam de aparecer.

Lembre-se sempre que, aqui, sua missão é buscar a informação verdadeira ou mais próxima disso possível. Quanto à fonte…

 

Se a fonte não quiser dizer o nome, mas dará a informação:

Você pode conversar com a pessoa e apurar o depoimento dela. Se ela não quiser se identificar, você pode:

a)     Utilizar apenas as iniciais do nome: mesmo assim a pessoa precisa aceitar;

b)     Utilizar um nome fictício, pontuando na reportagem ou matéria que está usando um nome fictício para preservar a privacidade e segurança da fonte.

c)      Citar uma característica que ligue a pessoa ao fato, e explicar que ela preferiu não se identificar.

 

Exemplo:

“Uma moradora da rua onde aconteceu o fato, que preferiu não se identificar, nos informou que…”.

“Um dos professores do aluno agressor que, por questão de segurança, não quis se identificar, disse que…”.

 

Se a fonte quiser dar o nome, mas não quiser ser fotografada.

Neste caso você pode:

a)     Respeitá-la, e pensar em outras imagens sobre o assunto.

b)     Fazer fotografias que mostrem as pessoas apenas indiretamente. Ex.: Foto da pessoa de costas, da sua silhueta contra a luz, ou da sua sombra no chão ou na parede.

 

Se a fonte estiver fazendo uma denúncia que pode prejudicá-la.

Algumas vezes as pessoas temem passar uma informação com medo de se prejudicarem ou sofrerem algum tipo de violência. Em alguns casos, mesmo não falando nome nem mostrando a foto, a descrição do evento pode colocar uma pessoa em risco. Por isso, pense muito bem antes de publicar uma matéria de denúncia.

Neste tipo de caso é importante:

a)      Trabalhar no texto para que fique o menos claro possível de onde veio a informação.

b)      É sempre bom procurar mais fontes, sempre checando se as informações coincidem.

Um exemplo: imagine que a fonte presenciou um crime e que, além de ser a única testemunha, a fonte foi vista pelo criminoso.

Se ele for preso, ou se tornar procurado, a primeira pessoa de quem ele pode querer se vingar é a pessoa que ele sabe que viu o crime, nesse caso, a fonte.

Veja mais instruções para publicar no Geral na Saúde.

Conheça a política de privacidade do Geral na Saúde.