Uma violência que vivi

Um problema que inquieta muitos jovens hoje é o da violência. Essa violência pode ser verbal, física, ou psicológica. Uma correspondente jovem do Geral na Saúde compartilha conosco uma história que aconteceu dentro da escola. Como a comunidade escolar pode se organizar para evitar esse tipo de situação?

Certa noite na minha escola, estava conversando com uma colega de classe  sobre um assunto de TV, em que uma atriz estaria tratando do câncer no hospital Sírio Libanês. Quando um colega de classe entrou na conversa soltando piadas, onde ele perguntou o que eu tinha a ver com isso, e se eu ia curar a doença dela. Então, com muita calma, respondi a ele que era apenas um simples comentário, e que ele não tinha nada a ver com a história. Continuei conversando com minha amiga sobre o assunto, mas ele simplesmente não gostou da resposta.

Como estávamos fazendo um trabalho escolar, tinham materiais que podiam machucar e, o colega de classe pegou uma tesoura e apontou para mim perguntando quem eu pensava que era falando daquele jeito pra ele. Então pedi pra ele abaixar a tesoura, pois poderia acontecer alguma coisa que eu não queria e nem ele. Ele não abaixou. Então falei que a atitude que ele estava tomando não era de homem, era de um moleque. Então ele passou a tesoura no meu nariz. Não chegou a me cortar mas, acho que essas coisas não deveriam acontecer dentro de sala de aula, principalmente nessas circunstâncias. Apesar do fato acontecido, nada foi resolvido. O menino não foi punido. Mesmo eu pedindo na direção da escola para pelo menos me trocarem de sala mas, nem isso aconteceu.

Nas escolas, principalmente públicas, acontecem esses tipos de violência e diretores de escola, diretoria de ensino entre outras autoridades, deveriam tomar providências porque, do mesmo jeito que aconteceu comigo, pode acontecer com outras pessoas e em outras escolas e sem nenhum desfecho, sem nada esclarecido e muitos saem impune. No meu caso, não teve um caminho trágico, mas é sempre bom evitar, pois não sabemos o que pode acontecer.

 

Saiba mais:

Bullying: não deixe de pedir ajudatexto de Emily Oliveira para o Geral na Saúde