Chorar pelo Leite Derramado – Poesias

O Centro para Crianças e Adolescentes – CCA Pedreira – Mar Paulista/Guacuri é um dos serviços sócio-assistênciais da Secretaria Municipal de Assistência Social – SMADS/CRAS Cidade Ademar, que fica na zona sul da capital de São Paulo, no território de Cidade Ademar/Pedreira.

No CCA Pedreira – Mar Paulista/Guacuri são atendidas, diariamente, 120 crianças e adolescentes na faixa etária de 06 anos a 14 anos e 11 meses em atividades socioeducativas.

Uma das atividades socioeducativas realizada é o Projeto Cartografia, que trata o olhar dos usuários para o seu território, identificando os problemas e discutindo soluções para o enfrentamento das questões do seu bairro.

No mês de março de 2015 estamos desenvolvendo dentro do Projeto Cartografia o  tema  “Chorar pelo leite derramado” uma proposta de atividade que está sendo executada por todos os CCAs e CJs (Centros de Juventude) pertencentes ao CRAS Cidade Ademar e Pedreira. O objetivo desta atividade é levantar junto com os usuários os problemas sociais existentes em seu bairro.

Veremos aqui um recorte deste trabalho realizado pelo CCA Pedreira – Mar Paulista/Guacuri, que percorre por poesias, desenhos, colagens e fotos do bairro, identificando os problemas do território pelos quais devemos “chorar”.

Poesia

“Chorar pelo leite derramado”

 Um dia navegando pelo imenso mar avistei uma ilha, com entulho por todo lugar e nela havia um cachorro a se engasgar, os urubus o rodeavam esperando sua morte chegar.

Um estrondoso redemoinho se formou no mar, engolindo a ilha e tudo que havia naquele lugar. Uma nuvem negra ao redor do meu navio começou a se formar, não havia para onde escapar.

Avistei uma única nuvem branca a flutuar e de repente tudo começou a melhorar com o brilho do sol o lixo dissipou e o que era limpo finalmente retornou…

Autor: Alisson Felipe, 13 Anos.                                                               __________________________________________________

Poesia

“Chorar pelo leite derramado”

Lixo na rua, lixo acumulado                                                                                           junto com mato para todos os lados.                                                                             Rato na rua, rato do outro lado,                                                                                     A doença do rato para todos os lados.

Brigas e mortes, a policia deixa rolar,                                                                           por isso que tem morte para todo lugar.                                                                       Bandido roubando e a policia só conversando,                                                           e as pessoas só sonhado.

Drogas por todo lugar,                                                                                                       e assaltos que continuam a rolar.                                                                                 Pobres na rua usando drogas,                                                                                       Podemos fazer um mundo sem drogar?

Autor: Caio Henrique Leka – 12 anos                                                               ____________________________________________________

Poesia

“Chorar pelo leite derramado”

Vindo para o CCA                                                                                                             avistei o trafico se movimentar.                                                                                     Tentaram me drogar                                                                                                       mas consegui me afastar.

No meu bairro                                                                                                                    tem muita briga                                                                                                                 entre familias,                                                                                                                 principalmente a minha.

Assalto é uma coisa séria                                                                                                 envolvendo vitimas por bens materiais                                                                       assim não aguento mais.

 

Autor: Rafael Cezar, 14 Anos.                                                              _____________________________________________________

Poesia

“Chorar pelo leite derramado”

Chorar pelo leite derramado,                                                                                         É o mesmo que você reclamar de um fato,                                                               Um fato que não tem mais jeito,                                                                                     Só se reclamando com o prefeito!

Ruas com calçadas quebradas,                                                                                     Ou então elas estão rachadas,                                                                                     Ninguém liga para os idosos,                                                                                       Só se preocupam com si próprio.

As drogas já estão virando rotina,                                                                                  Se você sair na rua, e ver de lá da esquina.

Se alguém te oferecer,                                                                                                     Não você pode dizer,                                                                                                         Se você experimentar,                                                                                                   Muito tempo não vai viver.

Autora: Vitória Souza, 13 Anos.                                                                           _____________________________________________________

Poesia

“Chorar pelo leite derramado”

O nosso Brasil                                                                                                                     Assim não pode continuar                                                                                            Se não der jeito                                                                                                                  A cidade pode acabar

Não quero ser chato                                                                                                         Mas assim não pode continuar                                                                                        A droga em nosso bairro                                                                                                  Só faz é aumentar.

As manifestações                                                                                                               Podem nos ajudar                                                                                                            Mas com esse quebra-quebra                                                                                         Pode é piorar.

Nome: Icaro Maciel, 11 Anos.

3 comentários

Eu sou do CCA Pedreira Guaguri e lá no nosso CCA nós somos muitos interessados em cartografia, que é feita junto com a nossa educadora Rafaela, mais conhecida como Rafa. Segundo ela e a Paula, nossa diretora, o assunto que mais entra no CCA é o termo da cartografia, como eu disse. Nós fizemos a peça da Araceli, que entra no termo da cartografia
Muito obrigado pela atenção e parabéns para todos os CCA e CJ e aos educadores e diretores.

Oi, Daniela!
Muito legal saber que vocês gostam do tema cartografia aí no CCA Pedreira Guaguri! Escrevam aqui no Geral contando as atividades que já desenvolveram e sobre essa peça da Araceli, parece ser bem interessante! 🙂
Um abraço.