Cintas pós-parto: vantagens e desvantagens

Cintas pós-parto

Você está em dúvidas sobre como deve ser realizado uso de cintas pós-parto e quais os seus benefícios? Confira quais as indicações e o porquê o uso desse material pode ajudá-la após a gravidez.

Após o parto, você notará algumas mudanças em seu corpo, como nos seios, na barriga ou no intestino. Essas mudanças podem fazer você considerar o uso de cintas pós-parto para ajuda o corpo a se recuperar e tentar voltar ao que era antes.

Em primeiro lugar, você deve saber que é normal ter intestino alto, gordura localizada, entre outros, durante as semanas seguintes ao parto, já que o corpo passou por várias mudanças e tem que voltar gradualmente ao normal.

O que são cintas pós-parto?

O uso de cintas pós-parto é indicado para ajudar a região abdominal a se reposicionar mais rapidamente, aplicando força na região que foi enfraquecida após o parto. Também faz com que os órgãos internos e a pele se reposicionem mais rapidamente e dá à mulher confiança para fazer alguns movimentos.

A cinta pós-parto é uma vestimenta utilizada após o nascimento do bebê, responsável por circundar e comprimir a região abdominal e a região lombar. Existem vários tipos: tubulares, como se fossem um cinto, com suspensórios, com velcro, mais ou menos flexíveis ou rígidos… Além disso, são fabricados com materiais diversos, como microfibra ou algodão.

As opiniões sobre seu uso são diversas, pois para algumas podem ser muito úteis na correção de postura e na estabilização das costas após o parto, mas a pressão aplicada nem sempre é correta. Isso ocorre porque ela não permite que os músculos afetados trabalhem por conta própria.

O ideal é conversar com o seu médico antes de realizar o uso para saber quais os tipos de cinta pós-parto mais indicados no seu caso.

Confira também: Ensaio Gestante Vila Formosa – Dicas para ter o melhor ensaio

Quando usar a cinta pós-parto?

É importante observar que as cintas pós-parto não devem ser usadas imediatamente após o parto normal ou cesariano. Os prazos indicados pelo ginecologista devem ser respeitados.

Após o parto, os músculos, útero e órgãos do abdômen voltam à posição inicial (antes da gravidez). Embora não sejam completamente iguais, com nutrição adequada e cuidados com os exercícios físicos, eles serão capazes de se assemelhar gradualmente.

Especialistas recomendam seu uso logo após o nascimento do bebê, para que a mãe se sinta mais confortável, e aos poucos se acostume com a falta de peso e o vazio do abdômen, desde que consiga ficar em pé sozinha.

Caso tenha sido realizada episiotomia, não opte por calças ou cintas tipo calcinha, pois dificultam a transpiração e, portanto, impede a cicatrização correta da ferida.

Se o parto foi cesáreo, o uso de cintas pós-parto não é recomendado até após a quarentena. Isso permite uma boa cicatrização da parede abdominal e do útero, e que este adquira sua posição inicial de forma fisiológica.

Vantagens do uso da cinta pós-parto

  • Dá segurança na realização de alguns movimentos.
  • Pode ajudar a uma melhor recuperação após o parto, reduzindo a sensação de vazio no abdômen e as dores.
  • Ajuda a manter os órgãos no lugar, pele e modela o corpo.
  • Fortalece a região lombar, dá estabilidade e ajuda na postura correta.

Desvantagens do uso da conta pós-parto

  • Seu uso prolongado impede que os músculos da região abdominal trabalhem por conta própria. Isso causa um atraso na recuperação pós-parto e pode levar à incontinência, hemorroidas ou prolapso genital.
  • Não ajuda a modelar e perder barriga por si só, mas seu uso deve ser acompanhado de hábitos saudáveis, como boa alimentação e prática de exercícios físicos.

Por fim, Converse com seu médico para obter mais informações importantes e realizar o uso adequado da cinta.

Se você optar pelo uso de cinta pós-parto, não se esqueça de escolher o modelo correto. Os mais indicados são os tubulares, que atuam no nível lombar e abdominal, e não afetam a parte da virilha. Além disso, não se deve esquecer que seu uso é apenas um suplemento, portanto seu uso deve ser pontual para que seja positivo e não contraproducente para a recuperação muscular.

Recommended Posts