Como fazer atividade física na pandemia sem ir à academia

atividade física na pandemia

Estar na pandemia, embora o isolamento social, não significa que você não deve praticar uma atividade física, muito pelo contrário.

É importante pegar sol, alongar os músculos e principalmente, evitar ao máximo o sedentarismo.

Talvez você esteja em dúvida de qual atividade física fazer, mas a boa notícia é que hoje existem várias opções, a maioria delas muito acessíveis.

O que vale mesmo é começar, e melhor, começar da maneira correta. Dessa forma, você aproveita todos os benefícios dos exercícios, sem correr o risco de qualquer tipo de lesão.

Para te ajudar, reunimos aqui algumas ideias de atividades físicas muito simples, inclusive algumas podem ser feitas até na sua casa.

Por que é importante se exercitar?

Já está mais do que provado os benefícios de fazer exercícios físicos regularmente, não apenas para a saúde física, mas também mental.

No entanto, antes de iniciar qualquer tipo de treino, por mais que seja leve, é fundamental consultar seu médico.

É preciso verificar se está tudo bem com a sua saúde, se não há contraindicação para determinados tipos de exercício, enfim, ver como está sua condição física.

Confira alguns benefícios de atividades físicas regulares:

  • Ajuda no controle da pressão arterial;
  • Protege contra doenças cardiovasculares;
  • Oxigena o cérebro;
  • Previne a obesidade;
  • Reduz o estresse e ansiedade;
  • Fortalece o sistema imunológico;
  • Promove o bem-estar geral.

Esses só são alguns exemplos, e agora chegou o momento de escolher qual atividade que mais gosta e tem mais a ver com seu perfil e estilo de vida.

Dicas de atividades físicas sem precisar ir à academia

Embora em algumas cidades as academias já estejam liberadas, não é todo mundo que gosta.

Por isso, separamos aqui dicas para praticar exercícios sem obrigatoriamente precisar frequentar uma academia:

1.Fazer uma caminhada

Dependendo de onde você mora, se é um local de praia, pode fazer caminhadas no calçadão ou na areia.

Mas se não tiver, pode caminhar nas ruas próximas da sua casa, mas sempre lembrando de usar a máscara e evitar locais com aglomeração.

2.Assistir vídeos no YouTube

Se você não quiser sair de casa, no YouTube, você encontra vários vídeos, desde para iniciantes até níveis mais avançados.

São treinos fáceis de seguir, e o importante é manter a regularidade.

3.Andar de bicicleta

Outra opção de atividade física é andar de bicicleta, mas fique atento no caso de pedalar na rua.

Além de prestar atenção aos carros, use equipamentos como capacete, por exemplo.

4.Invista em equipamentos

Se você tiver condições, invista em equipamentos, como esteira, bicicleta ergométrica, remo, cama elástica, etc.

Agora, você precisa se comprometer e fazer o exercício, e logo vai perceber mais disposição e energia.

5.Alongamentos

Procure sempre alongar-se antes e após os exercícios, porque além de relaxar os músculos, evita lesões mais graves.

Independentemente de qual atividade física você vai praticar, se possível, tente pelo menos três vezes por semana, de 30 a 50 minutos.

Além disso, mantenha-se hidratado e procure seguir uma dieta equilibrada e saudável.

Se for possível, poderia pedir a ajuda de um personal trainer, até para te orientar quanto à maneira correta de fazer.

Começando a fazer exercícios físicos

Se você é daquelas pessoas que não tem o hábito de fazer exercícios físicos, é melhor começar devagar.

Por exemplo, no primeiro dia, caminhe 10 minutos e aos poucos, aumente esse tempo até chegar a 40, 50 minutos.

Já no caso da corrida, é melhor conversar com seu médico antes de começar, porque é uma atividade mais intensa e exige mais dos músculos e do coração.

Mas se mesmo assim, ainda se sentir desanimado e sem muita vontade de se exercitar, talvez seria interessante investir em um suplemento para te dar mais energia.

E se estiver em dúvida qual melhor pré-treino, saiba que no mercado existem excelentes produtos.

O mais importante aqui é dar o primeiro passo e se tornar uma pessoa mais ativa e consequentemente, mais saudável.

Dicas para cuidar da saúde bucal na terceira idade

cuidados com a saúde bucal na terceira idade

Cuidar dos dentes e da boca é fundamental desde o começo de nossas vidas, de modo a prevenir doenças e manter um sorriso de qualidade. Entretanto, os cuidados com a saúde bucal na terceira idade devem ser ainda mais expressivos, visto sensibilidades que podem surgir.

De modo geral, seja quando crianças, jovens ou adultos, o organismo tende a estar mais forte. 

Para isso, no entanto, principalmente ao abordar a saúde bucal, é preciso considerar os cuidados diários, como os hábitos alimentares (que não podem ser deficitários), ou mesmo a existência de vícios em bebidas e tabaco, prática de exercícios físicos, entre outros.

Isso porque os vícios, manias e hábitos determinam a resistência do corpo e a qualidade da saúde de modo geral. Mais ainda, esses cuidados contribuem – ou não – para uma melhor resposta do corpo a longo prazo, promovendo mais saúde mesmo na terceira idade.

Entretanto, quando a pessoa atinge uma certa idade, especialmente a partir dos 60 anos, é natural que o organismo costume apresentar maiores dificuldades e há mudanças significativas no corpo e hormônios.

Ou seja, os anticorpos já não são mais os mesmos, os órgãos não funcionam da mesma maneira e, com isso, qualquer problema que surge pode ser agravado, além de outros se mostrarem mais facilmente devido ao trabalho “mais lento” do metabolismo.

Como a saúde bucal tem total ligação com o funcionamento do organismo, é fundamental que, nessa idade, os cuidados sejam redobrados, visando evitar que problemas na cavidade surjam e se agravem.

Quais cuidados precisam ser redobrados?

Geralmente, uma boa higienização bucal consiste em uma escovação de qualidade, sendo que o ideal é realizá-lo sempre após as refeições, também priorizando a limpeza noturna.

Além disso, o uso do fio dental e cuidado com os alimentos que são consumidos são cruciais para o fortalecimento da estrutura, bem como a água para hidratar a mucosa, principalmente nessa fase que a boca tem tendência a ficar mais seca.

Utilizar enxaguantes bucais como elemento complementar nesses cuidados, reforçando a limpeza e mantendo a boca hidratada também se mostram fundamentais para a higienização correta, preservando a cavidade.

Desse modo, na terceira idade, esses cuidados devem ser reforçados. Inclusive, a escovação deve ser realizada com frequência e da maneira recomendada, recorrendo aos produtos voltados para a fase, conforme as necessidades identificadas pelo profissional.

Exemplo disso, são os produtos que podem vir a ser necessários em uma perda dental, de modo a manter a qualidade dos implantes e dentaduras. 

Vale destacar ainda que o processo de escovação deve ser feito com mais calma. Isso porque, com o passar do tempo, a gengiva fica retraída e mais sensível, o que pode deixar exposta a raiz do dente ou facilitar sangramentos.

Dessa maneira, é importante que a escovação seja mais devagar e com cuidados reforçados para não machucar essa região.

Os hábitos alimentares também devem mudar. Mesmo que, durante toda a vida, as pessoas tenham hábitos alimentares bastante prejudiciais, é importante mudar essa condição e passar a ter uma alimentação mais saudável e regulada. 

O mesmo vale para aqueles que já tem uma refeição mais balanceada, estimulando mais o cardápio com frutas e vegetais, por exemplo.

Pessoas que já tiveram problemas na boca, especialmente no dente e na gengiva, precisam prestar ainda mais atenção nesse sentido. 

Por conta da debilitação do organismo e, consequentemente, dos dentes, não ter esses cuidados pode significar perder toda a arcada dentária, afinal, os nutrientes necessários para o fortalecimento da estrutura, bem como aqueles que favorecem a proliferação de bactérias se encontram nos alimentos.

Nos casos de perda dental, pode ser necessário um implante dentário para repor os dentes perdidos, ou mesmo pode ser preciso recorrer ao uso de dentaduras mais complexas.

Doenças graves

Durante toda a vida, as pessoas precisam buscar atendimento odontológico para receber recomendações e realizar tratamentos bucais para manter a saúde dos dentes.

É muito comum, por exemplo, que as pessoas passem por problemas de estruturação nos dentes, tendo que realizar tratamentos ao longo prazo, como utilizar um aparelho ortodôntico para correções estruturais. 

Entretanto, conforme a idade vai avançando, o grau de gravidade das doenças também tende a aumentar, principalmente se os cuidados necessários não forem tomados, justamente pela fragilidade do organismo.

O que poderia ser uma simples inflamação na gengiva, em um certo momento da vida, pode se tornar uma periodontite, que é uma doença séria, que afeta a gengiva e os dentes. 

Mais ainda, o câncer de boca, por exemplo, que é uma doença extremamente grave, pode atingir essa parte da população mais idosa, sendo um de seus potencializadores a má higienização bucal, que pode ser comprometida até pela dificuldade na movimentação.

Como essa doença está associada a hábitos ruins e a falta de cuidados com a saúde bucal, ele acomete principalmente quem é mais velho, muito por conta do longo período desses hábitos errados. 

Assim, a regularidade no acompanhamento profissional também é um fator que demanda atenção, de modo a realizar as limpezas de forma mais profunda.

Consultas com regularidade

O acompanhamento com dentistas é fundamental durante toda a vida, seja para a manutenção adequada de um aparelho de dente ou mesmo na avaliação de rotina, para limpezas e aplicação do flúor, por exemplo.

Além disso, são esses os profissionais que sabem exatamente os cuidados e tratamentos que as pessoas precisam receber para ter uma boca saudável e os dentes bem estruturados, identificando possíveis ofensores no decorrer do acompanhamento.

Mesmo que, quando mais novos, surjam problemas na arcada dentária, os dentistas podem estipular quais são os melhores tratamentos, se é necessário o uso de aparelhos, ou se é preciso uma cirurgia para retirar uma cárie ou se existe a necessidade de utilizar uma lente de contato dental.

Na terceira idade, esse acompanhamento é ainda mais importante. Como já dissemos, por conta da fragilidade do corpo, as doenças que aparecem na boca ou nos dentes podem se agravar.

Mais ainda, por conta da redução do fluxo salivar muito comum nessa idade, inflamações e cáries se tornam mais propensas. Assim, a manutenção diária e profissional deve ser feita de forma mais cautelosa e frequente.

Dessa forma, com um acompanhamento com especialistas regularmente, os idosos podem receber recomendações mais específicas dos cuidados que precisam ter, os hábitos que precisam ser modificados, entender melhor sobre as complicações, como evitar, além de prevenir doenças com hábitos mais saudáveis e recomendados.

Além disso, caso necessário, eles podem solicitar diversos tratamentos, desde procedimentos estéticos, como clareamento dental, até cirurgias para resolver alguma situação mais problemática ou incômodas com a devida segurança.

 

Conteúdo originalmente desenvolvido pela equipe do blog Qualivida Online, site no qual é possível encontrar diversas informações, dicas e conteúdos ricos sobre os cuidados com a saúde física e mental.

Conheça o método de evitar as manchas nos dentes

métodos de evitar as manchas nos dentes

Muitas pessoas falam do quanto nosso sorriso é fundamental para nossa primeira impressão, para nosso efeito e para a formulação de como a sociedade nos vê.

Um dos maiores vilões da boa estética de nosso sorriso são as manchas, escuras e amareladas, que se formam em nossos próprios dentes, afetando todos os componentes anteriores. Várias manchas não são o resultado de um mau cuidado, mas da genética ou do desenvolvimento da idade, as outras têm a possibilidade de escapar e precisam de um procedimento particular da arcada dentária.

É essencial modificar hábitos, pois a otimização da ingestão de alimentos para melhorar a limpeza bucal, além de métodos como prótese dentária e lentes de contato dentárias, deve ter uma atenção ainda mais focada. Estas são as principais precauções que você deve tomar para evitar a incidência de manchas em seus dentes:

Não fume e mantenha o consumo de álcool sob controle

O fumo é a principal causa das manchas nos dentes. Isto porque a nicotina danifica diretamente o esmalte, amarelecendo-o gradualmente e escurecendo-o. Outros hábitos negativos, como o consumo excessivo de álcool, também têm o potencial de mudar a cor de seus dentes.

Portanto, se você realmente quer alcançar mais beleza estética dos dentes e saúde geral do corpo, a solução ideal é apagar completamente tais hábitos de sua vida, pois o tabaco e o álcool promovem o desenvolvimento do câncer bucal. Entretanto, se você controlar seu consumo de álcool, os efeitos serão muito menos perceptíveis.

Diminuir o consumo de alimentos com corantes

Além dos vícios, certos alimentos mancham os dentes, e os mais frequentes são aqueles que possuem corantes em sua estrutura. Alguns desses alimentos são chá, café, chocolate, vinho, beterraba e açaí, e têm pigmentos que aderem ao esmalte dos dentes, dificultando a sua remoção escovando sozinhos. Portanto, seu consumo deve ser mantido sob controle, e a limpeza oral deve vir logo em seguida.

Além disso, existem produtos industrializados com corantes, tais como ketchup, molho de soja, ketchup, doces em geral e outros exemplos. Estes tipos de alimentos estão afetando adicionalmente a coloração dos dentes e, no entanto, devem ser evitados para uma melhor condição estética do sorriso.

Além disso, os refrigerantes têm uma grande influência na coloração dos dentes, devido ao fato de que eles influenciam a erosão do esmalte.

Não exagere com a pasta de dentes

Outra maneira de evitar manchas nos dentes é prestar atenção à proporção de pasta de dentes que você escolher. Algumas pessoas exageram pensando que continuam fazendo a melhor escolha e aperfeiçoando o grooming, mas não é assim. A longo prazo, a proporção monumental de pasta de dentes pode deixar o clareamento dos dentes inalterado, levando até mesmo a manchas desagradáveis.
Principalmente, são as crianças que exageram este produto, influenciadas por seus pais e também conduzidas por um pensamento errado. Você deve orientá-los para reduzir a porção, pois além dos danos futuros, o flúor pode ser engolido durante a escovação e influenciar a fluorose.

Ter uma boa higiene oral

A falta de atenção à limpeza bucal pode afetar a cor do esmalte dos dentes. A placa bacteriana acumulada, uma vez não completamente removida, permanece no dente de forma persistente, transformando-se em tártaro e causando sérios danos à estética. Escova seus dentes continuamente após as refeições, seja paciente e faça uma escovação precisa.

O tártaro resultante só pode ser removido por um método de escalonamento realizado por um dentista. Se estamos falando de um problema hoje, procure uma clínica odontológica.

Não se esqueça de usar o fio dental

Uma vez que o contorno dos dentes escurece, já temos a possibilidade de relacioná-lo diretamente com a falta de fio dental. Na ausência de seu uso adequado, o biofilme presente entre os dentes e ao lado da gengiva não é removido, permanecendo fixo no lugar. Portanto, o uso do fio dental não pode ser deixado de lado, além de atuar no bom estado dos dentes, ele também atua na prevenção de patologias como a gengivite.

Portanto, se você já está percebendo uma mudança na cor de sua arcada dentária e isso o incomoda, corte seus maus hábitos. A maioria das manchas pode ser eliminada por meio do método de clareamento dental.

Como manter a saúde da boca em dia?

Como manter a saúde da boca em dia

A nossa zona bucal possui várias funções importantes, a ponto de a saúde bucal se relacionar diretamente com a saúde geral. Logo, manter os cuidados necessários com a boca em dia são essenciais na prevenção de danos que podem afetar todo o organismo.

Além de funções como a respiração, a mastigação e a fala, a boca também é morada e porta de entrada de bactérias e microrganismos que podem ser nocivos à saúde.

Os bons hábitos e a higienização correta e completa dessa região são capazes de barrar e prevenir que essas complicações ocorram. As visitas regulares ao dentista também fazem parte de uma ação preventiva eficiente, com procedimentos como o aparelho ortodôntico.

Conheça os cuidados com a saúde bucal que você deve manter em dia:

Uso diário do fio dental

O uso do fio dental muitas vezes é subestimado e deixado de lado na rotina. Entretanto, sua passagem é essencial para a manutenção da saúde bucal, já que retira os resíduos de alimentos que não são capazes de serem retirados pela escovação.

Desse modo, o uso desses alimentos deve ser diário, acompanhando uma das escovações. Com esse hábito, ao remover os restos entre os dentes e perto da gengiva, se previne a formação e as eventuais evoluções das placas bacterianas.

Uso diário do enxaguante bucal

Assim como o fio dental, o enxaguante bucal também é muitas vezes ignorado na hora da higienização e é igualmente importante. É o enxaguante, o responsável por reduzir as manchas deixadas no esmalte do dente por alimentos e bebidas bem pigmentadas, como o café.

Os bochechos, quando diários, têm como efeito a redução da percepção dessas manchas e as evitam, uma vez que otimizam a limpeza bucal.

No entanto, a sua ausência no cotidiano favorece que a acidez dos alimentos danifique ainda mais a proteção dos dentes, favorecendo a formação de cáries, halitose, e até mesmo a perda de parte da dentição.

Cuidados com a escovação

A escovação, mesmo que esteja presente no nosso dia-a-dia, muitas vezes não é feita da forma correta, perdendo assim os seus benefícios.

A escovação deve ser precisa e alcançar toda a arcada com os seus movimentos circulares. A escova deve ser trocada após 3 meses de uso e conter as cerdas macias, para não machucar a gengiva e perfurar o esmalte do dente, evitando a sensibilidade.

Quanto ao creme dental, ele deve conter flúor, já que é esse componente que possui a função de eliminar as bactérias, prevenir a sua proliferação, fortalecendo o esmalte da arcada dentária.

O creme dental, por sua vez, pode conter benefícios adicionais, como branqueamento, redução da sensibilidade e controle do tártaro.

Higiene bucal noturna

Durante a noite, a higienização deve ser ainda mais considerável. Dormir sem realizá-la não é uma opção, já que é durante a noite de sono que a boca se torna um local ainda mais acessível a ação de bactérias nocivas, já que é quando a salivação diminui.

Portanto, para evitar a incidência de cáries e demais doenças, escove bem os dentes, a língua, e previra esse horário para fazer o uso do fio dental e do enxaguante.

Dieta saudável e equilibrada

Uma boa alimentação também está relacionada com a saúde bucal, isso se deve ao fato de que são os alimentos açucarados e ricos em amido as principais causas da formação das placas bacterianas e cáries, já que grudam facilmente na arcada.

Logo, não deixe de realizar a escovação entre os intervalos das refeições e beba muita água para que as impurezas possam se desgarrar.

Priorize uma dieta que tenha base em alimentos saudáveis e nutritivos, que são capazes de fortalecer o organismo, e assim, a estrutura dentária.

Visita periódica ao dentista

Por fim, as visitas ao dentista são extremamente importantes, já que fazem possível que o profissional identifique possíveis danos que possam comprometer a saúde bucal em sua fase inicial, impedindo que se evoluam.

Com esse diagnóstico e avaliação geral, o dentista também poderá identificar a necessidade da realização de algum procedimento, como a profilaxia, a limpeza profissional que deve ser feita a cada 6 meses.

É só tomando essas medidas que a saúde bucal é mantida e o seu sorriso ficará em dia. Tenha em mente que esses cuidados são decisivos e impedem que males possam também atingir seu corpo, como diabetes e doenças cardiovasculares.

Saiba a hora certa de começar se preocupar com os dentes de seu filho

Saiba a hora certa de começar se preocupar com os dentes de seu filho

Ao longo do desenvolvimento da vida o corpo passa por intensas transformações, e uma das mais importantes são as que ocorrem nos dentes. Afinal, há a passagem de uma primeira dentição, em seguida, sua troca, até chegar a velhice.

O cuidado com os dentes na fase da infância é crucial para que o adolescente, o futuro adulto e consequentemente idoso, tenha uma vida bucal muito saudável.

Entretanto, muitos pais, por acreditarem que as crianças possuem dentes de leite não precisam de acompanhamento do médico dentista, deixando este cuidado para os dentes permanentes e futuros tratamentos como o de aparelho inivisivel preço.

Contudo, a atenção à dentição dos pequenos é fundamental, e no presente artigo abordaremos a importância desse acompanhamento e qual o momento certo para o início do acompanhamento com um odontopediatra.

Entendendo a odontopediatria

Como vimos o acompanhamento dentário deve ser feito desde pequeno, nos primeiros anos de vida, para garantia de uma vida bucal saudável e com menos intervenções cirúrgicas e substituições como os implantes dentários.

O acompanhamento das crianças ao dentista permite que os pequenos desenvolvam hábitos de higiene bucal que são potencializados pelos pais. Isso garante que as crianças tenham um relacionamento bastante equilibrado com os dentes e a boca, evitando inúmeras doenças.

O médico dentista que acompanha as crianças no início da dentição até o início da adolescência é conhecido como odontopediatra.

A odontopediatria é exercida por um médico dentista que se especializou no atendimento infantil de bebês, crianças e adolescentes até os 12 anos.

A odontopediatria é uma especialização que o médico faz assim como o dentista que se encaminha para a área de produção de prótese sobre implante dentario.

O acompanhamento do odontopediatra é fundamental para que as crianças desenvolvam uma relação saudável com a boca, sendo ensinadas a higienizar de forma correta os dentes, evitando doenças.

O profissional é capacitado para lidar com as crianças, para que se sintam seguras, confortáveis e sem medo, fazendo com que a ida ao dentista seja bastante agradável, e ao chegar à vida adulta, podendo se sentir bastante tranquilo para fazer procedimentos estéticos mais arrojados como a colocação de lente de contato dental.

A seguir falaremos sobre quando deve-se levar os bebês na primeira consulta no dentista e quais são os principais momentos da vida da criança ao longo da sua primeira dentição.

Quando levar as crianças pela primeira vez ao dentista?

Existem variadas fases que a criança deve passar ao longo da vida, e as consultas ao odontopediatra são indispensáveis. Alguns desses momentos são:

  • Antes dos dentes nascerem;
  • Aparecimento dos primeiros dentes;
  • Troca dos dentes de leite;
  • Problemas bucais.

Abaixo falaremos com mais detalhes sobre alguns desses momentos que são tão importantes para a vida da criança.

1.   Antes dos dentes nascerem

Sim, a primeira ida ao odontopediatra deve ser antes dos dentes da criança nascer, inclusive, antes mesmo do bebê nascer. Isso porque há recomendações com a saúde bucal que a mãe deve ter para evitar cáries que podem causar problemas ao feto.

Assim que a criança nasceu é necessário marcar uma consulta ao profissional, para que dúvidas quanto a mamadeiras e chupetas sejam tiradas, além de dicas de alimentação para o bebê e também para os pais para evitar doenças e problemas bucais.

Antes dos dentes nascerem é preciso limpar as gengivas entre 2 às 3 vezes por dia com pano úmido, e assim que ocorrer a primeira erupção do dente de leite é preciso que seja feita a higiene com produtos específicos.

2.   Nascimento dos primeiros dentes de leite

Os primeiros dentes de leite surgem com 6 meses, e a consulta ao odontopediatra é fundamental, para verificar se ocorre o nascimento de forma correta e adequada.

Se for identificado problemas de desvio nos dentes é possível já começar um pequeno tratamento corretivo, evitando problemas futuros.

A dentição completa se encerra aproximadamente aos 3 anos

3.   Troca dos dentes de leite

Na troca de dentição é fundamental que haja acompanhamento de um dentista, ela ocorre a partir dos seis anos onde já é possível identificar se há necessidade de usar aparelhos infantis, indicando a um especialista em ortodontia para esclarecer qualquer dúvida.

4.   Problemas bucais

Ao menor problema bucal, como dores ou sangramento deve-se procurar um dentista para verificar o que pode ser a causa do problema. Assim é possível corrigir eventuais problemas.

Portanto, a ida ao dentista deve ser realizada desde bebê para que a saúde bucal de futuros jovens, adultos e idosos seja garantida, trazendo consequentemente uma melhor qualidade de vida.

Conteúdo originalmente desenvolvido pela equipe da Vue Odonto, uma rede especializada em atendimento odontológico com enfoque na humanização.

Como escolher os melhores produtos para a higiene bucal?

melhores produtos para a higiene bucal

A higienização do dente é extremamente importante para a manutenção de uma boa estética do sorriso e evitar eventuais complicações.

É essencial para uma melhor saúde bucal, que além de uma higienização precisa e completa, se saiba escolher os produtos utilizados durante a limpeza e seja realizada gradativamente o efeito de clareamento dental. Saiba como efetuar a escolha desses produtos:

Escovas de dente

A escolha da escova de dente pode ser bastante difícil, uma vez que esse produto está disponível de diversas formas, estilos e com diferentes propriedades no mercado.

Um grande número de dentistas indica as escovas com cerdas macias, afirmando a sua maior eficiência na remoção da placa bacteriana e restos de alimentos.

Outra recomendação é que as escovas tenham cabeças menores, uma vez que podem alcançar mais completamente as áreas da boca, realizando uma limpeza próxima da totalidade.

A seleção do estilo e proporção ideal devem ser de acordo com suas necessidades e da forma que te deixa confortável. A melhor escolha da escova de dente é a que melhor se encaixa em sua boca e que consegue entrar em contato com toda a arcada dentária com facilidade.

É necessário realizar a substituição da escova de dente quando se perceber uma maior deterioração ou em um período determinado de três meses. O estilo de escova de dente que as crianças usam também possuem restrições. As escovas devem possuir cerdas de nylon macias e que seja capaz de atingir toda a superfície dos dentes.

As escovas elétricas são capazes de retirar ainda mais precisamente as placas da dentição do que as escovas comuns, porém, são recomendadas a pacientes que possuem debilidades motoras.

Cremes dentais

Os cremes dentais para atingirem o efeito de limpeza necessário devem conter em sua consistência o flúor, componente que auxilia o fortalecimento do esmalte. É importante que o tipo ideal seja indicado pelo seu odontologista, tendo em vista as particularidades de sua dentição.

Assim como a escova de dente, o creme dental também possui várias formas, podendo ter a finalidade de branquear os dentes e até mesmo com a composição especializada para dentes sensíveis. É importante que o flúor esteja contido até mesmo no creme dental das crianças.

Fio dental e enxaguante bucal

O fio dental é o que faz a limpeza da arcada dentária ficar completa, atuando na área que a escovação não consegue alcançar, entre os dentes. Também é um produto que está disponível em uma variedade de formas, sabores e consistência.

Caso você possua dificuldade para realizar sua passagem, compre um passa-fio. É recomendado que o fio dental seja passado após refeições juntamente com a escovação, porém, pode ser utilizado ao final do dia, assim como o enxaguante bucal.

O enxaguante bucal, assim como o creme dental deve conter o flúor e atua no fortalecimento dos dentes, na prevenção contra a cárie e no frescor do hálito. Esses dois produtos vão se limitar apenas a preferência de marcas, já que todos possuem as mesmas propriedades.

Caso ainda esteja em dúvida quanto a que tipo de produto comprar, converse com o seu dentista.

Mau hálito: saiba como identificar e tratar a halitose

Mau hálito

O mau hálito, ou halitose, é um dos problemas mais comuns em relação a saúde da boca. É uma problemática muito desagradável para quem porta e para as pessoas em seu redor, podendo influenciar situações constrangedoras. As causas do mau hálito podem ser várias, entretanto, maus hábitos do cotidiano podem contribuir para esse acontecimento. A forma de tratamento do mau hálito é bem diferente da do tratamento de problemáticas como a herpes labial, sendo mais fácil de ser solucionado, saiba mais:

Quais maus hábitos podem favorecer a incidência do mau hálito?

Como dito, o mau hálito pode ser influenciado por maus hábitos mantidos no dia-a-dia, principalmente pela má higiene bucal. A falta de uma higienização correta e completa pode ser uma das influencias desse incômodo, sendo que a indicada compreende a escovação logo após refeições, juntamente com a passagem de fio dental e o uso do enxaguante bucal.

É importante ressaltar que a escovação deve ser feita com um creme dental com flúor, e o uso do enxaguante deve ser feito pelo ao menos uma vez no dia.

A halitose possui motivações centradas na boca, e externas a ela. Podendo, além da má higienização bucal, ser advinda da má alimentação, mudanças no fluxo de saliva; chamada xerostomia, e por influência do estresse.

Como evitar e tratar a halitose e manter um hálito refrescante?

Para se evitar a halitose, a boa e completa higienização bucal é a melhor solução, porém, outras formas como a manutenção de uma alimentação de qualidade, equilibrada e com a ingestão devida de fibras, e uma boa e regulada ingestão de água também são eficientes ações preventivas a esse problema.

Para quem já foi identificado com esse dano, procure por um odontologista de sua confiança. Esse profissional te avaliará e dará as direções com os cuidados necessários, dando orientações quanto a boa higiene bucal e uma boa alimentação, as relacionando com o caso.

Dependendo da situação, uma intervenção por meio de uma limpeza dental profissional pode ser necessária, além de uma profilaxia ou uma avaliação profunda das causas do mau hálito.

O mau hálito e suas outras possíveis causas

Existe um senso comum errado de que o mau hálito pode ter origem no estômago, entretanto, a verdade é que ele pode vir do biofilme lingual; placa bacteriana localizada no fundo da língua, ou por cáseos amigdalianos; formados dentro das amígdalas, ou por doenças na gengiva; gengivite e periodontite.

No entanto, existem cerca de 90 causas para o mau hálito, sendo algumas advindas de doenças sistêmicas; desenvolvidas na boca ou por causas raras. Ao identificar a halitose, busque imediatamente pelo seu odontologista de confiança para que o problema seja devidamente tratado e solucionado.

O diagnóstico e tratamento do mau hálito

O diagnóstico da halitose é realizado na clínica odontológica através de um questionário completo, colhendo informações desde o histórico da alimentação e o de exames clínicos e odontológicos, até a testes de saliva, estresse, e do hálito por aparelhos próprios.

É por essas informações colhidas que se é estipulada a forma de tratamento e que muito provavelmente incluirá fatores aqui abordados como, cuidados quanto a higienização bucal e alimentação. Demais medidas possíveis incluem o tratamento da baixa produção de saliva, requerendo certos exames laboratoriais e demais prescrições dependendo da causa do mau hálito.

As pessoas que sofrem com o mau hálito não conseguem identificá-lo sozinhas, uma vez que não conseguem sentir o próprio hálito. Isso se deve a um processo fisiológico denominado fadiga olfatória, em que nos calhamos a um odor especifico, e em caso haja constância, odores diferentes podem ser sentidos. Essa situação necessita que alguém do ciclo social fale com a pessoa e reforce a necessidade de um dentista.

Caso o paciente tenha uma certa desconfiança dessa incidência, é importante que pergunte a outra pessoa para confirmar e levar o caso ao dentista, refazendo a pergunta em diferentes partes do dia e conversando perto ou soprando para a melhor percepção.

Essa ação ajuda no fortalecimento da identificação e no diagnóstico preciso do dentista. Lembre-se da importância da intervenção desse profissional, uma vez que se o problema existe é por causa de algum mau hálito e irregularidade, e somente o especialista é capaz de apontar esses fatores com propriedade.

Como evitar e combater o colesterol alto?

Como evitar e combater o colesterol alto

O colesterol se trata de uma substância que se assemelha das gorduras que se locomovem pelo sangue, sintetizado especialmente pelo fígado por meio das gorduras consumidas. O colesterol quanto mais acumulado nos vasos sanguíneos, se instala em maior quantidade nas paredes das artérias, levando gradualmente o assoreamento da locomoção do sangue.

Há dois tipos de colesterol, o benéfico; HDL, e o nocivo; LDL, que são essenciais para o nosso organismo, porém, é necessário ter o controle. O LDL auxilia no funcionamento das gorduras no organismo, colaborando com a sintetização de certos hormônios e vitamina D, entretanto, caso identificado em excesso, pode levar a concentração doa gordura nas paredes das artérias, o que leva ao chamado colesterol alto e acarreta problemas graves de saúde.

A genética e diabetes também pode auxiliar na elevação do colesterol, evidenciando a relevância de visitas e exames médicos regulares. Saiba mais sobre o colesterol alto:

Quais são os sintomas do colesterol alto?

A hipercolesterolemia se trata de uma doença silenciosa, não apresentando sintomas característicos e de fácil percepção. Com isso, é relevante fazer exames regulares para realizar a medição dos níveis de colesterol. É necessário também que haja uma alteração do cotidiano, começando uma alimentação saudável e equilibrada, a prática de exercícios físicos e aeróbicos regulares, combinada ao corte de hábitos como o tabagismo e a perda de peso se recomendada.

Quais são as causas do colesterol alto?

O colesterol pode ser causado por diversos fatores, além daqueles que colaboram para a elevação de sua taxa. Podem ser levadas em conta as condições genéticas, a faixa etária e a influencia do diabetes podem fazer com que haja o crescimento das chances da incidência do colesterol alto.

Complicações do colesterol alto

O colesterol alto pode levar uma série de demais complicações, entre elas estão a angina, o infarto do miocárdio; motivado pela carência de irrigação do sangue no coração, e o AVC; que possui ocorrência semelhante ao infarto do miocárdio, porém no cérebro.

É recomendado que, além da conservação de um estilo de vida mais saudável, que haja a manutenção das visitas regulares ao consultório médico, visando realizar a avaliação e a análise situacional, descobrindo se há a necessidade de realizar o acompanhamento por exames. Quando identificado em alto nível, em alguns casos, se faz preciso a prescrição de medicamentos associados a alteração do estilo de vida.

Como realizar a ação preventiva e a redução do colesterol?

As oscilações da taxa de colesterol se devem ao estado da alimentação. Certas medidas simples são capazes de auxiliar no controle do colesterol. A redução do uso do óleo, da ingestão de alimentos com alta concentração de gordura, o consumo de frituras e alimentos com alto nível de colesterol. Entre os alimentos a serem evitados estão o ovo, leite e derivados, frios e embutidos, bacon, camarão e miúdos.

O consumo de fibras, concentrados nos cereais integrais, frutas e vegetais colaboram com a diminuição do colesterol ruim, o LDL. Para que haja um melhor controle dos níveis de colesterol e a reeducação alimentar devida, consulte com um nutricionista e veja quais são os alimentos e as combinações ideais para a reversão e a prevenção dessa problemática.